Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38 Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38 Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38 Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38 Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38 Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38 Deprecated: Function eregi() is deprecated in /var/www/html/palasathena.org.br/web/dalailama/inc/cabecalho.htm on line 38
 
Sua Santidade o Dalai Lama

Programação Oficial
Clique aqui e confira a programação S.S. o Dalai Lama no exterior (em inglês)

 

Imprimir    

Os Dalai Lamas

NomeLocal de Nascimento
1Gedun Drupa (1391-1474)Shabtod (U-tsang)
2Gedun Gyatso (1475-1542)Tanag Segme (U-tsang)
3Sonam Gyatso (1543-1588)Tolung (U-tsang)
4Yonten Gyatso (1589-1617)Mongólia
5Ngawang Lobsang Gyatso (1617-1682)Chingwar Taktse (U-tsang)
6Tsangyang Gyatso (1682-1706)Mon Tawang
7Kelsang Gyatso (1708-1757)Lithang (Kham)
8Jamphel Gyatso (1758-1804)Thobgyal (U-tsang)
9Lungtok Gyatso (1805-1815)Dan Chokhor (Kham)
10Tsultrim Gyatso (1816-1837)Lithang (Kham
11Khedrup Gyatso (1838-1856)Gathar (Kham)
12Trinle Gyatso (1856-1875)Lhoka (U-tsang)
13Thupten Gyatso (1876-1933)Thakpo Langdun (U-tsang)
14Tenzin Gyatso (1935)Taktser, Kumbum (Amdo)


O primeiro Dalai Lama, Gedun Drupa (1391-1474)

O primeiro Dalai Lama, Gedun Drupa, nasceu em 1391 em Gyurme Rupa, próximo a Sakya na região Tsang, Tibet central, filho de Gonpo Dorje e Jomo Namkha Kyi, uma família de nômades. Recebeu o nome de Pema Dorje.

Fez seus estudos básicos de tibetano, leitura e escrita, com Gya-Ton Tsenda Pa-La, e depois, aos catorze anos, fez seu voto como noviço com Khenchen Drupa Sherab, abade do monastério de Narthang, que lhe deu o nome religioso de Gedun Drupa. Mais tarde, no ano de 1411, fez os votos de Gelong (ordenação completa) com o abade.

O jovem Gedun Drupa tinha consciência da fama do grande Tsongkhapa, o fundador da escola Gelugpa, tornando-se seu discípulo em 1416. Sua lealdade e devoção a Tsongkhapa convenceram o grande mestre a fazer de Gedun Drupa o seu principal discípulo. Tsongkhapa deu a Gedun Drupa um conjunto de mantos totalmente novos como um sinal de que ele espalharia os ensinamentos budistas por todo o Tibet. Em 1447, Gedun Drupa fundou o monastério de Tashi Lhunpo em Shigatse, uma das maiores universidades monásticas da Escola Gelugpa.

O primeiro Dalai Lama, Gedun Drupa foi uma grande pessoa, um imenso erudito, famoso por unir o estudo com a prática, e escreveu mais de 8 livros volumosos sobre sua compreensão dos ensinamentos e da filosofia de Buda. Em 1474, com oitenta e quarto anos, morreu enquanto meditava, no monastério de Tashi Lhunpo.


O segundo Dalai Lama, Gedun Gyatso (1475-1542)

O segundo Dalai Lama, Gedun Gyatso nasceu em 1475 em Tanag Sekme, próximo a Shigatse na região Tsang do Tibet central, filho de Kunga Gyatso e Machik Kunga Pemo, uma família de camponeses.

Seu pai era um conhecido praticante de tantra da linhagem Nyingmapa. Conta-se que quando Gedun Gyatso começou a falar, ele disse a seus pais que o seu nome era Pema Dorje, o nome de nascimento do primeiro Dalai Lama, e que gostaria de viver no monastério em Tashi Lhunpo. Quando foi concebido, seu pai teve um sonho no qual alguém vestido de branco apareceu e lhe disse para chamar seu filho de Gedun Drupa e também que o seu filho seria uma pessoa com a capacidade de relembrar suas vidas passadas. Entretanto, seu pai lhe deu o nome de Sangye Phel.

Recebeu sua educação primária de seu pai e com onze anos foi reconhecido como a reencarnação de Gedun Drupa, o primeiro Dalai Lama e foi entronizado no monastério em Tashi Lhunpo. Em 1486, fez seus votos de noviço com Panchen Lungrig Gyatso e seus votos de Gelong (ordenação completa) com Choje Chokyi Gyaltsen, que lhe deu o nome de Gedun Gyatso. Estudou nos monastérios em Tashi Lhunpo e Drepung.

Em 1517, Gedun Gyatso se tornou abade do monastério de Drepung e no ano seguinte, reviveu o Grande Festival de Orações, Monlam Chenmo, e presidiu os eventos com monges vindos de Sera, Drepung e Gaden, as três grandes universidades monásticas da linhagem Gelugpa. Em 1525, tornou-se o abade do monastério de Sera. Morreu com sessenta e sete anos, em 1542.


O terceiro Dalai Lama, Sonam Gyatso (1543-1588)

O terceiro Dalai Lama, Sonam Gyatso nasceu em 1543 em Tolung, próximo a Lhasa, filho de Namgyal Drakpa e Pelzom Bhuti, uma família rica.

Seus pais já tinham tido muitos filhos, porém todos morreram e para evitar qualquer chance de azar que pudesse tirar-lhes este bebê, o alimentaram com o leite de uma cabra branca e o chamaram de Ranu Sicho Pelzang - “O próspero, salvo pelo leite de cabra”.

Em 1546, com três anos de idade, Sonam Dakpa Gyaltsen, o governador do Tibet, e Panchen Sonam Dakpa o reconheceram como a reencarnação de Gedun Gyatso. Foi acompanhado ao monastério de Drepung com uma grande procissão e foi entronizado, seu cabelo cortado, simbolizando sua renúncia do mundo. Fez os votos de noviço com Sonam Dakpa aos sete anos de idade e assumiu o nome de Sonam Gyatso. Aos vinte e dois anos, fez os votos Gelong (ordenação completa) com Gelek Palsang.

Em 1552, Sonam Gyatso se tornou o abade do monastério de Drepung e em 1558, abade do monastério de Sera. Em 1574, estabeleceu o Phende Lekshe Ling para ajudá-lo a exercer suas atividades religiosas, hoje conhecido como monastério de Namgyal e continua a servir como o monastério pessoal do Dalai Lama. Foi durante esse tempo que o Rei da Mongólia, King Altan Khan, ofereceu-lhe o título de “Dalai Lama”, que literalmente quer dizer, “Oceano de Sabedoria” e por sua vez o Dalai Lama conferiu ao Altan Khan o título de “Brahma”, o rei da religião. O terceiro Dalai Lama também fundou o monastério de Kumbum no local onde Tsongkhapa nasceu, assim como o monastério de Lithang, em Kham. Em 1588, morreu, enquanto ensinava na Mongólia.


O quarto Dalai Lama, Yonten Gyatso (1589-1617)

O quarto Dalai Lama, Yonten Gyatso, nasceu em 1589, na Mongólia, filho de Tsultrim Choje, chefe da tribo Chokar, que era neto de Altan Khan, e sua segunda esposa, Phakhen Nula.

Com previsões dos oráculos do estado e sinais auspiciosos na ocasião de seu nascimento, o abade do monastério de Gaden o reconheceu como a verdadeira reencarnação do terceiro Dalai Lama e lhe deu o nome de Yonten Gyatso. Seus pais, entretanto, não quiseram se separar de seu filho até que fosse mais velho, assim, ele recebeu sua educação primária religiosa na Mongólia, de lamas tibetanos.

Em 1601, aos doze anos de idade, Yonten Gyatso foi levado ao Tibet acompanhado por seu pai e o detentor anterior do trono, Sangya Rinchen, que lhe conferiu os votos de monge noviço. Em 1614, aos vinte e seis anos, fez os votos de Gelong (ordenação completa) com o quarto Panchen Lama, Lobsang Chogyal. Mais tarde, tornou-se abade do monastério de Drepung e depois do monastério de Sera. Em 1617, com vinte e sete anos, morreu no monastério de Drepung.


O quinto Dalai Lama, Ngawang Lobsang Gyatso (1617-1682)

O quinto Dalai Lama, Ngawang Lobsang Gyatso, nasceu em 1617 em Lhoka Chingwar Taktse, ao sul de Lhasa filho de Dudul Rabten e Kunga Lhanzi.

Quando Sonam Chophel, o atendente-mor do quarto Dalai Lama, ouviu falar das capacidades excepcionais do menino Chong-Gya, foi visitá-lo e lhe mostrou objetos que pertenceram ao Dalai Lama anterior. O menino imediatamente disse que aqueles objetos lhe pertenciam. Sonam Chophel manteve a descoberta do quinto Dalai Lama em segredo por causa da situação política turbulenta. Quando as coisas se acalmaram, o quinto Dalai Lama foi levado para o monastério de Drepung, onde foi ordenado como monge pelo terceiro Panchen Lama, Lobsang Chogyal, e recebeu o nome de Ngawang Lobsang Gyatso.

O quinto Dalai Lama foi reconhecido na ocasião em que o Tibet estava atravessando uma situação política turbulenta. Entretanto, toda essa incerteza foi acalmada por Gushir Khan, o chefe dos Mongóis Qoshot, e em 1642, o Dalai Lama foi entronizado no salão principal de Shigatse como o líder espiritual e também político do Tibet. Em 1645, o Dalai Lama reuniu-se com altos oficiais de Gaden Phodrang sobre a construção do Palácio de Potala na Colina Vermelha, onde o 33º rei do Tibet, Songtsen Gampo, construíra um forte vermelho. No mesmo ano, iniciou-se a construção e levou mais de quarenta e três anos para terminar.

Em 1649, Sunzhi, o imperador Manchu, convidou o Dalai Lama para visitar Pequim. Quando chegou na província chinesa de Ningxia, foi recebido pelo ministro do imperador e o comandante militar que veio com uma cavalaria de três mil pessoas para acompanhar o líder tibetano. O próprio imperador veio de Pequim para recebê-lo em um lugar chamado Kothor. Na capital chinesa, o Dalai Lama hospedou-se no Palácio Amarelo, construído para ele pelo imperador. Quando o imperador oficialmente encontrou-se com o Dalai Lama, os dois trocaram títulos. Em 1653, o Dalai Lama retornou ao Tibet.

Gushir Khan morreu em 1655, assim como Sonam Chophel, o “Desi”. O Dalai Lama nomeou o filho de Gushir Khan, Tenzin Dorje, como o novo rei mongol, e Drong Me-Pa Thinle Gyatso sucedeu este último no cargo de Desi. Quando o imperador manchu morreu em 1662, seu filho, K’ang-si, ascendeu ao trono manchu. No mesmo, ano morreu o Panchen Lama com noventa e um anos. Em 1665, depois de uma petição do monastério de Tashi Lhunpo, o Dalai Lama reconheceu um menino da região de Tsang como a reencarnação do Panchen Lama e deu a esse menino o nome de Lobsang Yeshi.

O quinto Dalai Lama foi um grande erudito, muito versado em sânscrito. Escreveu muitos livros, inclusive um de poesias. Estabeleceu também duas instituições educacionais, uma para oficiais leigos e outra para monges, onde aprendiam mongol, sânscrito, astrologia, poesia, e administração. Foi um homem de poucas palavras, porém o que dizia era com convicção e influenciou governantes além das fronteiras do Tibet. Em 1682, com sessenta e cinco anos, ele morreu antes de completar a construção do Palácio de Potala, entretanto, não antes de confiar a responsabilidade da construção para Sangya Gyatso, o novo Desi com o conselho de manter sua morte em segredo por um tempo.


O sexto Dalai Lama, Tsangyang Gyatso (1682-1706)

O sexto Dalai Lama, Tsangyang Gyatso, nasceu em 1682 na região de Mon Tawang atual Arunachal Pradesh, filho de Tashi Tenzin e Tsewang Lhamo.

Para completar o Palácio de Potala, Desi Sangye Gyatso cumpriu a vontade do quinto Dalai Lama e manteve sua morte em segredo durante quinze anos. As pessoas eram comunicadas que o Grande Quinto Dalai Lama continua em seu longo retiro. Em importantes ocasiões, seu manto cerimonial era colocado no trono. Entretanto, quando os príncipes mongóis insistiram em ter uma audiência, um velho monge, chamado Depa Derab do Monastério de Namgyal, que parecia o Dalai Lama, foi contratado para se passar por ele. Usou um chapéu e sombra de olhos para esconder o fato de não ter o olhar penetrante do Dalai Lama. Desi conseguiu manter essa charada até que soube de um menino em Mon que possuía capacidades excepcionais. Enviou seus atendentes de confiança para a região e em 1688, o menino foi trazido para Nankartse, um local próximo a Lhasa. Aí foi educado por professores nomeados por Desi até 1697, quando Desi enviou seu ministro de confiança, Shabdrung Ngawang Shonu para a corte Manchu, informando o imperador K’ang-si da morte do quinto e a descoberta do sexto Dalai Lama. Anunciou o fato ao povo tibetano que recebeu a notícia com gratidão e alegria, agradecendo Desi por impedir que lamentassem o sol poente e em seu lugar, se alegrassem com o sol nascente.

Desi convidou o quinto Panchen Lama, Lobsang Yeshi, para ir a Nankartse, onde o segundo líder religioso mais elevado do Tibet deu os votos de monge noviço ao jovem, que recebeu o nome de Tsangyang Gyatso. Em 1697, aos catorze anos de idade o jovem foi entronizado como o sexto Dalai Lama em uma cerimônia presenciada por oficiais do governo tibetano representando os três monastérios principais — Sera, Gaden, e Drepung — príncipes mongóis, representantes do Imperador K’ang-si e os habitantes de Lhasa.

Em 1701 houve um conflito entre Desi e Lhasang Khan, o descendente de Gushir Khan, e este último matou Desi Sangya Gyatso, o que perturbou o jovem Dalai Lama. Deixou seus estudos monásticos e decidiu pela vida externa, não tinha planos de fazer of votos de ordenação completa. Na realidade, visitou o Panchen Lama em Shigatse e pediu que o perdoasse, renunciando até mesmo aos votos de monge noviço. Apesar de continuar vivendo no Palácio de Potala, passeava por Lhasa e outros vilarejos dos arredores, passando os dias com seus amigos em um parque atrás do Palácio de Potala, e as noites nas tavernas em Lhasa e Shol (uma área abaixo do Potala) bebendo chang e cantando. Era conhecido por ser um grande poeta e escritor, tendo escrito vários poemas. Em 1706, foi convidado para visitar a China e morreu na viagem.


O sétimo Dalai Lama, Kelsang Gyatso (1708-1757)

Olhando para atrás, os tibetanos acreditaram que Tsangyang Gyatso previu seu próprio renascimento em Lithang, na região de Kham quando escreveu esta canção:

Garça branca, empreste-me suas asas
Vou além de Lithang,
E de lá, voltarei.

E, com certeza foi assim, o sétimo Dalai Lama nasceu em 1708, filho de Sonam Dargye e Lobsang Chotso em Lithang, dois anos depois do desaparecimento do sexto.

O monastério de Thupten Jampaling, fundado em Lithang pelo terceiro Dalai Lama, ficou impressionado pelas maravilhas da criança e os oráculos de Lithang predisseram que uma nova criança nasceria, a reencarnação do último Dalai Lama. Entretanto, devido à situação política turbulenta, não podiam acompanhar o novo Dalai Lama até Lhasa, e ele foi então levado para o monastério de Kumbum, onde foi ordenado por Ngawang Lobsang Tenpe Gyaltsen.

Em 1720, foi entronizado no Palácio de Potala e fez seus votos como monge noviço com Panchen Lobsang Yeshi, que lhe deu o nome de Kelsang Gyatso. Em 1726, durante o mês auspicioso de Saka Dawa, fez os votos de Gelong (ordenação completa) com Panchen Rinpoche. Procurou o tutor de Panchen Lobsang Yeshi, o abade do monastério de Gyume e o abade do monastério de Shalu Ngawang Yonten, com quem estudou todos os principais tratados filosóficos budistas e se tornou um mestre em sutra e em tantra.

Em 1751, com quarenta e três anos, constituiu o “Kashag” ou conselho de ministros para administrar o governo tibetano e depois aboliu o cargo de Desi, pois colocava muito poder nas mãos de apenas um homem. O Dalai Lama se tornou o líder espiritual e político do Tibet. Com quarenta e cinco anos, fundou a Escola Tse no Palácio de Potala e construiu o novo palácio de Norling Kalsang Phodrang. O sétimo Dalai Lama foi um grande estudioso e escreveu muitos livros, especialmente sobre tantra. Foi também um grande poeta, diferente de Tsangyang Gyatso, se atendo a temas espirituais. Sua vida simples e imaculada ganhou o coração de todos os tibetanos. Morreu em 1757.


O oitavo Dalai Lama, Jamphel Gyatso (1758-1804)

O oitavo Dalai Lama, Jamphel Gyatso, nasceu em 1758 em Thobgyal, Lhari Gang na região Tsang no sudoeste tibetano. Seu pai, Sonam Dhargye, e sua mãe, Phuntsok Wangmo, eram originariamente de Kham e descendiam de Dhrala Tsegyal, um dos heróis legendários do épico Gesar.

Assim que Jamphel Gyatso foi concebido, Lhari Gang foi abençoada com uma abundante colheita, cada planta de cevada com três a quatro orelhas — algo jamais visto. Quando a mãe e um parente estavam jantando no jardim, apareceu um enorme arco-íris, uma ponta tocando os ombros da mãe. (Isto é considerado como um sinal muito auspicioso, associado com o nascimento de um ser sagrado). Logo após seu nascimento, observou-se que Jamphel Gyatso freqüentemente olhava para o céu com um sorriso no rosto. Também era visto tentando sentar em posição de meditação e lótus. Quando Palden Yeshi, o sexto Panchen Lama, ouviu falar desse menino, disse: “Esta é uma autêntica reencarnação do Dalai Lama.”

Quando começou a falar, disse: "Com três anos de idade, irei para Lhasa". Todo o Tibet convenceu-se então que essa criança era o oitavo Dalai Lama. Darkpa Thaye, o atendente-mor do sétimo Dalai Lama, foi até Lhasa com um enorme contingente de lamas e oficiais do governo tibetano. Levaram o menino, então com dois anos e meio, para o monastério de Tashi Lhunpo em Shigatse, onde ocorreu a cerimônia de reconhecimento e o Panchen Lama deu-lhe o nome de Jamphel Gyatso.

Em 1762, o menino foi acompanhado até Lhasa e entronizado no Palácio de Potala. A cerimônia de entronização foi presidida por Demo Tulku Jamphel Yeshi, o primeiro Regente a representar os Dalai Lamas enquanto menores. Com sete anos, fez os votos de monge noviço com o Panchen Lama e depois foi totalmente ordenado em 1777. Além de seu legado espiritual excepcional, foi o oitavo Dalai Lama que construiu o famoso Parque e Palácio de Verão Norbulingka nos arredores de Lhasa. Em 1804, ele morreu aos quarenta e sete anos.


O nono Dalai Lama, Lungtok Gyatso (1805-1815)

O nono Dalai Lama, Lungtok Gyatso, nasceu em 1805 em Dan Chokhor, um pequeno vilarejo em Kham, filho de Tenzin Chokyong e Dhondup Dolma.

Em 1807, foi reconhecido como a reencarnação do oitavo Dalai Lama e foi acompanhado até Lhasa com uma grande cerimônia.

Em 1810, foi entronizado no Palácio de Potala. Fez seus votos de noviço com Pachen Lama, que lhe deu o nome de Lungtok Gyatso.

Infelizmente, morreu em 1815, muito jovem, com apenas nove anos de idade.


O décimo Dalai Lama, Tsultrim Gyatso (1816-1837)

O décimo Dalai Lama, Tsultrim Gyatso, nasceu em 1816 em Lithang, Kham, filho de Lobsang Dakpa e Namgyal Bhuti.

Em 1822, foi reconhecido e entronizado no Palácio de Potala e no mesmo ano, fez seus votos de monge noviço com o Panchen Lama, Tenpe Nyima que lhe deu o nome de Tsultrim Gyatso.

Em 1826, com dez anos de idade, foi para o monastério de Drepung onde estudou os vários textos filosóficos budistas e se tornou um mestre de sutra e tantra. Em 1831, reconstruiu o Palácio de Potala e aos dezenove anos, fez os votos e Gelong (ordenação completa) com o Panchen Lama. Entretanto, constantemente com problemas por ter uma saúde frágil, morreu em 1837.


O décimo primeiro Dalai Lama, Khedrup Gyatso (1838-1856)

O décimo primeiro Dalai Lama, Khedrup Gyatso, nasceu em 1838 em Gathar, Kham Minyak, filho de Tsetan Dhondup e Yungdrung Bhuti.

Em 1841 foi reconhecido como o novo Dalai Lama e o Panchen Lama, Tenpe Nyipa, cortou seu cabelo e lhe deu o nome de Khedrup Gyatso.

Em 1842, ele foi entronizado no Palácio de Potala e aos onze anos, fez os votos de noviço com o Panchen Lama. Apesar de sua tenra idade, assumiu a responsabilidade como líder tibetano espiritual e político a pedido do povo tibetano.

Entretanto, morreu de repente, em 1856, no Palácio de Potala.


O décimo segundo Dalai Lama, Trinle Gyatso (1856-1875)

O décimo segundo Dalai Lama, Trinle Gyatso nasceu em 1856 em Lhoka, um lugar próximo a Lhasa, filho de Phuntsok Tsewang e Tsering Yudon.

Em 1858, o menino como o Dalai Lama foi acompanhado até Lhasa onde Reting Ngawang Yeshi Tsultrim Gyaltsen, o regente lhe deu o nome de Thupten Gyatso.

Em 1860, com cinco anos de idade ele fez os votos de noviço com o Portador do Trono de Gaden Lobsang Khenrab e foi entronizado no Palácio de Potala. Em 1873, com dezoito anos de idade, assumiu a total responsabilidade como líder espiritual e político. Em 1875, morreu, aos vinte anos, no Palácio de Potala.


O décimo terceiro Dalai Lama, Thupten Gyatso (1876-1933)

O décimo terceiro Dalai Lama, Thupten Gyatso, nasceu no ano do Pássaro de Fogo, em 1876 em Thakpo Langdun, no sul do Tibet, filho de Kunga Rinchen e Lobsang Dolma, um casal de camponeses.

Em 1878, foi reconhecido como a reencarnação do Dalai Lama segundo previsões dos oráculos do estado e sinais auspiciosos no seu nascimento. Foi acompanhado até Lhasa onde foi ordenado monge pelo Panchen Lama, Tenpe Wangchuk, e recebeu o nome de Ngawang Lobsang Thupten Gyatso Jigdral Chokle Namgyal. Em 1879, o décimo terceiro Dalai Lama foi entronizado no Palácio de Potala.

Em 8 de agosto de 1895, assumiu o poder político e se viu envolvido no Grande Jogo entre a Rússia Czarista e a Índia Britânica nas fronteiras de seus impérios. Viveu a invasão britânica do Tibet em 1904 e a invasão chinesa de seu país em 1909, sobrevivendo a ambas experiências, com sua autoridade grandemente fortalecida.

Quando se espalhou a notícia em 1909 que Chao Er-feng, um general chinês, estava entrando em Lhasa, o Dalai Lama e alguns dos mais importantes oficiais fugiram de Lhasa e foram para Índia. O grupo atravessou o Dromo e cruzaram o passo Jelep-la, que separa o Tibet do Sikkim.

Em 1911, a dinastia Manchu foi derrubada e os tibetanos aproveitaram esta oportunidade para expulsar as forças Manchus do Tibet. O Dalai Lama voltou para o Tibet e passou a exercer uma autoridade política que não se via deste o reino do quinto Dalai Lama. Além de tentar modernizar o Tibet, o Dalai Lama também tentou eliminar algumas das mais opressivas características do sistema monástico tibetano. Enquanto esteve exilado na Índia, o Dalai Lama ficou fascinado com o mundo moderno e introduziu as primeiras moedas do Tibet. Em 1913, estabeleceu o primeiro correio no Tibet e também enviou quatro jovens tibetanos para a Inglaterra para estudar engenharia. Em 8 de janeiro de 1913 fez uma declaração pública dos quatro pontos da Independência Tibetana e compôs o atual Hino Nacional Tibetano.

Em 1914, fortaleceu a força militar tibetana organizando um treinamento especial para o exército tibetano. Em 1916, selecionou vários monges jovens e inteligentes de monastérios diferentes para preservar a ímpar tradição médica tibetana e estabeleceu o Instituto Médico Tibetano, hoje bastante conhecido como Men-Tse Khang. Em 1923, estabeleceu sedes de polícia em Lhasa para a segurança e bem-estar do povo tibetano e no mesmo ano, estabeleceu a primeira escola inglesa em Gyaltse. Morreu em 1933 aos cinqüenta e oito anos de idade.


O décimo quarto Dalai Lama, Tenzin Gyatso (1935)

O décimo quarto Dalai Lama, Tenzin Gyatso, nasceu em 6 de julho de 1935, numa família de camponeses da pequena vila de Taktser, na provincia de Amdo, situada no nordeste do Tibet.

Seu nome era Lhamo Dhondup até o momento em que, com dois anos de idade, foi reconhecido como sendo a reencarnação de seu predecessor, o décimo terceiro Dalai Lama, Thubten Gyatso.

Clique aqui para ler a biografia completa de Sua Santidade o décimo quarto Dalai Lama, Tenzin Gyatso.

(Traduzido por Traduzido por Helena Hungria.)